Vida de Autora #1



Oi gente, eu sou a Carol do blog Trinita e estou aqui, convidada pela fofa da Madu, para escrever uma nova coluna: Vida de autora. 
Nesse espaço vou falar um pouco sobre como é, mais ou menos, o dia a dia de quem escreve um livro, os obstaculos, as dificuldades e as conquistas e dar dicas de como superar tudo.
Não sei se sou a pessoa mais adequada, já que nem publiquei a minha primeira obra ainda, mas talvez seja isso que torne os meus problemas tão parecidos com o de muita gente por aí, essa luta pela primeira obra.
Então vamos lá, o primeiro tópico que vamos discutir é um que está presente na vida de todos que escrevem, seja blogs, livros, contos, textos... O Bloqueio!
Quem nunca teve um bloqueio na vida hein? E quem aqui não sabe o como é dificil superar? Pois é. Mas tenho  algumas explicações e dicas que talvez possam ajudar 
vocês.


Eu classifico os bloqueios em três tipos: Bloqueio de dedos, bloqueio de mente e bloqueio total. Calma, calma, não é nada complicado, vou explicar.


Bloqueio de dedos: A tão famosa preguiça, é aquele que você até tem ideias pra escrever, vez ou outra, mas que quando abre o documento bate aquela molesa, aquele desânimo de ter que passar pro papel todos os pensamentos... Como resolver?
Essa é a resposta mais simples, vá dormir, sério! Quando você está deitado, sua mente vaga bastante e em uma dessas viajens você pode ter uma inspiração ótima. Além disso, estar bem descansado é essencial pra despaxar a preguiça. 
Se agora, você está com disposição, mas não sabe o que escrever, siga para o item abaixo.


Bloqueio de mente: Esse é o tal bloqueio criativo. E Deus sabe a agonia de quem sofre desse mau, é uma das piores coisas do mundo você querer escrever mas não ter ideias, pior ainda é quando você tem uma idéia, mas não sabe como começar. 
A solução do problema não é definitiva e nem 100%, mas talvez ajude:
-Assita
-Ouça
-Leia


Quando você está escrevendo algo, é sempre bom ter em que se inspirar, se for uma estória que você precise ou quer poder retomar a escrita logo, opte por um filme, mesmo que você não esteja com aquela vontade de ficar parada vendo TV, as vezes faz bem relaxar e deixar a mente mais atenta a outra coisa. Não foque somente em filmes que tenham a ver com o que você tem de escrever, muitas horas, um filme de comédia é que vai lhe dar inspiração para escrever aquelas cenas de drama, por isso não procure o filme por genero, mas por qualidade.


Ouça. Música é uma das soluções mais rápidas, mas ainda assim mais complicada, porque não hà nenhuma garantia que as músicas que você ouvir irão lhe inspirar e não tem um método de saber qual é a música certa a se escolher, porque gosto é gosto e pode ter alguém que lhe indique uma música e que ache ela o maximo e pra você essa música não fazer diferença nenhuma... Eu costumo usar essa solução só para me impulsionar durante a escrita, quase nunca para me dizer o que escrever.


Leia. Quando você escreve estórias, ficticias ou não, o melhor é pegar diversos livros e se enfiar de cabeça neles, sair um pouco do seu mundo e mergulhar em outros, ali você pode descobrir palavras, expressões, girias e tipos de narração diferentes que poderão ajudar e muito! Aqui acontece o mesmo que nos filmes, não escolha o livro por genero.
Se quiser algo mais rápido, leia uma short fic! Bons escritos é o que não falta na net.


Por ultimo, Bloqueio total: Pois é gente, esse é o pior, é aquele onde você não tem vontade de fazer nada, nem mesmo de pensar, onde as ideias e a disposição vão parar na conchichina. Minha dica pra esse é fazer todas as recomendações acima e viajar, se você puder, saía de casa, vá para o shopping, para uma praia ou para o interior. E NÃO leve o computador ou o que quer que você use para escrever consigo, a melhor maneira de conseguir escrever é não ter ONDE escrever. Pois é, aqui se aplica a regra de: Tudo que a gente não pode ter, queremos. Não faça uma viagem muito longa, só o suficiente para que as idéias comecem a fluir e você tenha vontade de pegar no awu manuscrito de novo.


Geente, espero que as dicas tenham ajudado e vocês tenham gostado dessa minha estréia por aqui! Daqui a quinze dias estou de volta e o tema vai ser... músiquinha de suspense... Clichês!

Resenha: Julieta Imortal by Stacey Jay

Julieta Imortal - Stacey Jay

"Ela lutará pela luz, e ele pela escuridão.
Lutando por século pela doce centelha do amor.
Sempre que duas almas se amarem de verdade, vocês os encontrarão
A corajosa
Julieta, e Romeu, o desertor."

Julieta Imortal aborda a antiga história de Shakespeare, Romeu e Julieta, provavelmente todos aqui conhecem essa história ou já ouviram falar. (Por favor né gente, é um Clássico.
Mas Stacey Jay, baniu essa inocente história de amor e transformou-a em um total drama atual.
Julieta foi traida por Romeu, que sacrificou o amor de Julieta para se juntar aos Mercenários, Julieta assim que ficou presa em sua tumba foi encontrada pela Enfermeira que a convidou a viver eternamente sendo uma Embaixadora.
Os Embaixadores são seres da luz que vem a terra para juntar almas gemêas, antes que os mercenários convençam a uma das almas a sacrificar o seu amor

Julieta "pega emprestado" o corpo de Ariel, uma garota diferente das demais, Julieta se vê tendo que resolver a vida conturbada dessa jovem e encontrar e unir duas almas gemeas.
Só que nada é tão fácil assim, Romeu aparece para perturbar o trabalho de Julieta, no corpo de Dylan, um garoto normal que morreu no acidente de carro que Ariel provocou.

Julieta tem que correr contra o tempo para que seu "inimigo", antes que roube uma das Almas Gemeas oferecendo-lhes a vida imortal se matarem seu par.
Claro que não é simplesmente isso.

Durante a fuga no meio da estrada depois de jogar o carro de Dylan ribanceira abaixo, ela entra em uma caminhonete, ai ela conhece Ben, um lindo garoto que não a trata diferente por causa do sangue em seu corpo ou as cicatrizes no rosto dela, no caso, de Ariel.
Então a pequena sereia/Julieta se vê atraída por esse garoto que a ajudou em sua fuga.

Ai começa o conflito interno de Ariel, ela não estava nesse mundo para se "apaixonar" ou se atrair por alguém, e sim para concluir sua missão.
Mas as coisas podem e vão piorar, quando ela descobre que Ben é uma das almas gemêas que ela tem que proteger.
Para que serve a imortalidade, quando o amor é tão frágil e nenhuma vida humana tão longa? Pág. 84
O livro me conquistou apenas com o nome, por que além das resenhas que li, eu sabia que a autora ia abordar um tema diferente, e foi exatamente o que ela fez, ela colocou um pouquinho de tudo, misturou e ficou maravilhoso.
Ela tomou cuidado com cada personagem, dos irrevenlantes, até Julieta.
Ela descreve perfeitamente cada cena, sem fazer o leitor enjoar ou sem ser chata demais.
A narração tem dois intermediarios Julieta, e o ponto de vista de Romeu.

O que me deixou meio confusa no livro foi o final, que me deixou meio espantada, porque o livro se enrola de novo, e deixa você totalmente perdida esperando uma resposta.
"Isso aqui tá certo? Mas...?" 
Acho que nenhum livro me deixou tão intrigada assim desde Louras Zumbis (lembre)

Mas em geral a autora soube bem criar um novo ponto de vista de Romeu e Julieta sem danificar a história em si, e mudou totalmente meus conceitos da classica história.

Mas vem cá, apesar de Romeu ter se tornado um desertor, Romeu é Romeu né?!
Eles não sabem muito sobre o amor como julgam saber. O amor não quer que as pessoas continuem ignorantes e assustadas. Não coloca a obediência acima de tudo. O amor não julga e acredita que algumas vidas, ou histórias de amor, sejam mais valiosas do que outras. O amor não usa as pessoas e as joga fora. Ele é infinito e nos torna pessoas mais fortes, mesmo quando a pessoa que amamos já se foi. Pág. 219
Não sei se me expressei o suficiente ou se joguei uma bomba de spoilers para vocês, mas acho que ficou bom na medida do possível, é isso pessoal ;D 
BeijoS

Duda

 
Design by: Caroline Gehrke